DTRL-Desafio de Terror Rascunhos Literários

"A emoção mais antiga e mais forte da humanidade é o medo" -- H.P. Lovecraft

Textos



Imagem sugerida pelo autor(a)

O
DTRL te deseja uma excelente leitura, mas...


Antes da leitura, caso tenha interesse em participar do DTRL36, clique bem AQUI e descubra como fazer parte dessa ideia!
 

 
Estranheza

  A peste vermelha perseguira-as até ali. Juno e Hera haviam-se acoitado naquele quarto das Regiões Desoladas onde, apressara-se o senhorio a afiançar-lhes enquanto contabilizava os créditos correspondentes a três meses de caução, os Angariadores pouco se aventuravam por temor a Innanna, sendo esta uma região inicialmente abençoada por Ela e de onde as Suas seguidoras e sacerdotisas ainda partiam para os templos de beira de estrada onde serviam todos os homens que pudessem sustentá-las.

  Contudo, os Angariadores recrutavam também as noviças de Innanna; não era invulgar verem-se templos onde bacantes enloquecidas acorriam ao cheiro do Sangue Novo, que é o mesmo que dizer sangue humano. Pois os Angariadores viviam na podridão; cativantes à primeira vista, era no vício dos homens que encontravam o seu sustento e se tornavam poderosos. Ao emergirem do submundo onde haviam prosperado em segredo no decurso de milénios, controlando a reprodução de acordo com os recursos disponíveis (animais pré-históricos emboscados em grutas e prisioneiros de caprichos genéticos), os Angariadores haviam inaugurado uma nova prática: a sobrevivência imperava sobre qualquer outro princípio.

  Deste modo, a população de Angariadores assumiu dimensões quase tão catastróficas quanto as da população humana antes da Emergência. Os Angariadores trouxeram consigo a pestilência vermelha, uma praga hemorrágica que facilitava o contágio entre os seres humanos e os encaminhava, a cuspir sangue, para os braços dos Angariadores que ansiosamente os aguardavam para recolher a corrupção das almas envilecidas por dias de sede jamais saciada.

  No entanto, a população de gado humano não resistia à propagação de outros males que também a dizimava, pelo que se tornava necessário encontrar outra fonte de sustento alimentar antes que todos os espécimes se esgotassem. Surgiu então o Programa de Prospecção que se fundamentava na superior necessidade de subsistir, onde os pouco utilizados veículos aerospaciais foram resgatados a partir do conhecimento de poucos cientistas para que os Angariadores pudessem explorar o espaço para além do sistema solar. Os cientistas também pouco duraram e, com eles, o conhecimento perdeu-se. Só as sacerdotisas de Innanna possuíam ainda algumas tradições orais que reproduziam a forma de construção, funcionamento e manutenção das naves e, por isso, eram uma presa muito apetecida por parte dos Angariadores mais experientes, para os quais representavam muitos créditos em caso de captura de exemplares vivos e intactos.

  As aprendizas de Innanna deslocavam-se sempre em pares, sob a protecção da mesma Deusa mas imbuídas de nomes diferentes, correspondentes a diversas manifestações dessa Deusa.

  -Hera, poderosa Senhora

  Que os meus olhos não vejam maldade

  Que os meus ouvidos não oiçam malignidades – entoava Juno, sentada em posição de lótus contra a parede lateral esquerda do diminuto aposento manchado de sangue.

  Hera e Juno procuraram inviabilizar a sua aparição aos Angariadores que rodeavam a casa. O senhorio deveria defender o território alugado, mas há muito fugira. Levaram a cabo uma ocultação parcial contendo a frequência de respiração e deixando que o batimento cardíaco ficasse reduzido ao mínimo. Esta aptidão era treinada desde o primeiro dia de noviciado, dado que poderia salvar-lhes a vida. Já eram escassas as vidas em vigor no planeta Terra.

  Este truque não funcionou como a instrutora lhes havia relatado. Os Angariadores limitaram-se a farejar de um modo mais profundo e a recolher informação com as garras sobre o solo. Enquanto arranhavam e aspiravam ar com recurso a grandes sorvos, os pensamentos dos Angariadores tornavam-se visíveis para as mentes treinadas de HeraJuno, e serem retalhadas, esfoladas vivas, sugadas de todo o sangue e penetradas por via de todos os orifícios corporais em simultâneo até deixarem de respirar enquanto o Angariador-Mor lhes recolhia as almas assustou-as de tal forma que decidiram que seria melhor abandonar a consciência.

  Já haviam sido iniciadas, e por esse motivo que fora-lhes garantido acesso a este método único no planeta antes governado por Innanna. Ao longo deste processo, as sacerdotisas de Innanna enlouqueciam com o propósito de subtrair a alma aos avanços do Angariador-Mor. Abandonavam uma casca vazia, que seria certamente torturada e sofreria, mas sem que esse sofrimento viesse a acrescentar um miligrama de nano-poder que fosse aos Angariadores. Em suma, uniam-se à Fonte, à essência de Inanna; a individualidade desaparecia, consumida pela chama trina só por elas invocada e por elas só conhecida uma única vez.

  Um Angariador tomara-lhes, por fim, o rasto. O percurso das estrelas visível através da parca cúpula alugada apenas há umas horas revelava-se frio  enquanto apascentava a sua trajectória sideral, o leite sagrado de Innanna. Enquanto o Angariador corria, os passos pesados contrastando com a silhueta ágil, pensaram ser assim a natureza do destino desde o início dos tempos, e ficaram gratas por lhes ser concedida a oportunidade de escapar ao pior desfecho contido nessa senda do destino. Foi então que começaram a sangrar da boca. Enlouquecidas, tentaram matar-se uma à outra para sugar o pouco sangue que ainda circulava pelos corpos rasgados até ao ânus pelas garras de Innanna que Hera transportava consigo e com as quais retalhara o corpo de Juno. Os olhos começaram a turvar-se-lhe e ainda teve tempo, antes de desfalecer, de ouvir a voz do Angariador-Mor que sussurrava, com a cadência doce irresistível para qualquer ser humano nascido de pai e de mãe:

  - Que lástima! Seríeis tão doce manjar para os meus apetites!

  Dito isto, entregou ambos os corpos aos Angariadores para que fizessem com eles o que lhes aprouvesse. As garras continuavam a produzir o som arranhado e foi por via dessa sonoridade que o Angariador-Mor gravou mais duas marcas de prata no escudo que o consagrava como o guerreiro de mais feroz casta entre os seus.

 

Total de Palavras: 926 palavras
TEMA: Vampiros
 




 
  

 
DTRL Desafio de Terror Rascunhos Literários
Enviado por DTRL Desafio de Terror Rascunhos Literários em 09/08/2019
Alterado em 09/08/2019


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras